Foto de Rock
Rock Rubi

+ Notícia

Bitcoin Banco causa prejuízo de R$ 1,5 bilhões a clientes e é acusado de crimes

Uma investigação criminal pela Polícia Federal, desde 2019, descobriu que o Bitcoin Banco praticava diversos crimes falimentares, de estelionato, lavagem de capitais, organização criminosa, além de delitos contra a economia popular e o sistema financeiro nacional.

O grupo de criminosos desenvolveram diversos artifícios para induzir as vítimas em erro, inclusive com a criação de ferramenta de registro de transações de criptoativos que, em plano de fundo, permitia o desvio dos recursos e enriquecimento ilícito dos investigados. Por essa razão, a investigação recebeu o nome de Operação Daemon, vez que na mitologia grega, refere-se a um ser sobrenatural trabalhando em plano de fundo e, na computação, refere-se a um programa que executa um processo em plano de fundo que não está sob o controle direto do usuário interativo.

Responsáveis pelo controle de três corretoras de criptomoedas e mediante forte marketing, atraíram centenas de clientes, quando em 2019, travaram os saques e deram um prejuízo estimado em R$ 1,5 bilhões a mais de sete mil credores. Em razão do bloqueio dos saques, inúmeras denúncias foram feitas. Os clientes investiam recursos pessoais na plataforma do Bitcoin Banco e acompanhavam uma suposta posição de seus investimentos nas plataformas corretoras que eram revertidos para o enriquecimento dos gestores.

O curioso é que quando bloquearam os saques, o próprio grupo noticiou à polícia que havia sido vítima de um ataque cibernético e que por isso teria bloqueado os saques das corretoras, ao passo que, por outro lado, não fornecia as informações e documentos para apuração dos fatos, retardando o andamento processual.

O que queriam, na verdade, era dar legitimidade ao bloqueio dos saques, alegando para os clientes que foram vítimas de hackers e que tudo estava sendo, inclusive, investigado pela Polícia. Seria o álibi perfeito.

Porém, constataram em 2020 que o grupo oferecia ao público contratos de investimento coletivo sem registro junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e que o grupo empresarial teria operado um verdadeiro esquema de pirâmide financeira.

Foi apurado que o líder deste grupo empresarial já havia sido condenado na Suíça pelos crimes de estelionato e falsificação de documentos. E mais: foram verificados diversos indícios da prática permanente de crimes falimentares, ludibriando até mesmo o juízo falimentar ao apresentando como garantia uma carteira de bitcoins que não era de sua propriedade. Alegaram que tinham cerca de sete mil bitcoins, o que consistia, em termos de números, patrimônio suficiente para quitação de todas as dívidas decorrentes dos bloqueios de saques dos clientes.

A 23ª Vara Judicial de Curitiba expediu um mandado de prisão preventiva, quatro mandados de prisão temporária e vinte e dois mandados de busca e apreensão e decretou sequestro de imóveis e bloqueio de valores.

Catástrofe de prejuízos Foto: 500px

Catástrofe de prejuízos