Espaço Rock

Um Espaço que mostra o que afeta sua Vida Financeira:

  • Foto de Rock
    Rock Rubi

    + Análise

    Para a portabilidade do plano de saúde é preciso estar adimplente?

    A portabilidade do plano de saúde é uma das alternativas para diminuir os seus custos. Não existe plano de saúde melhor ou pior, existem planos que se adequam ou não à necessidade do beneficiário, às peculiaridades de cada um, se o custo exigido caberá no orçamento etc. Lógico que, a qualidade da rede prestadora e atendimento, também são requisitos avaliados.

    Assim, ao escolher um plano de saúde que não atenda às suas necessidades, corre-se o risco de pagar mais barato e não ter cobertura de certos procedimentos que precise, caso em que acaba gastando para realizá-los de forma particular, ou de pagar mais caro em um plano completo que cubra procedimentos dos quais você não irá precisar.

    Uma das estratégias, portanto, para cortar o alto custo com o plano de saúde é através da portabilidade do plano para outro de valor inferior, na mesma ou em outra operadora, cujo prazo de carência não precisa ser novamente cumprido.

    Podem fazer a portabilidade os beneficiários de planos individuais/familiares, de panos coletivos, por adesão ou empresarial.

    De acordo com a ANS, agência reguladora de planos de saúde no Brasil, de janeiro de 2020 a janeiro de 2021, houve aumento de 28% de protocolos para realização de portabilidade de carências. De dezembro de 2020 a janeiro de 2021, apenas um mês, o aumento foi de 45%.

    Dessa forma, percebe-se que muitos estão recorrendo à portabilidade por não conseguirem manter planos mais caros, presumindo-se, assim, até mesmo certa quantidade de inadimplentes.

    Ocorre que, dentre outros requisitos, para fazer a portabilidade é necessário estar adimplente com a operadora contratada. Isso faz com que, quem esteja inadimplente e necessite de plano de saúde, continue a depender do plano mais caro, podendo a inadimplência virar uma bola de neve.

    Portanto, se o seu plano de saúde está muito caro e precise fazer a portabilidade, mas esteja inadimplente, analise uma forma de quitação. Com certo tempo em plano mais barato, você terá recuperado a diferença da adimplência e, após, terá uma folga no seu orçamento.


    Para fazer a Portabilidade do Plano de Saúde é necessário:

    - Estar adimplente junto à operadora;

    - Plano atual ter sido contratado após 1º de janeiro de 1999 ou ter sido adaptado à Lei 9.656/98; *

    - Manter o vínculo ativo com o plano atual; *

    - Mínimo de dois anos de permanência no plano de origem e três anos se tiver cumprido cobertura parcial temporária, para solicitar a primeira portabilidade e, mínimo de um ano, para a realização de novas portabilidades; *

    - Plano de destino ter faixa de preço igual ou inferior ao plano atual. **

    * Não se aplica aos casos de portabilidade: especial/extraordinária; por perda de vínculo; entre planos empresariais; para planos em pós pagamento.

    ** Não se aplica aos casos de portabilidade: especial/extraordinária e por perda de vínculo.


    Para saber o passo a passo de como fazer a portabilidade e documentos necessários, acesse:

    http://www.ans.gov.br/planos-de-saude-e-operadoras/contratacao-e-troca-de-plano/orientacoes-sobre-troca-ou-ingresso-em-planos-de-saude-sem-cumprimento-de-carencias/portabilidade-de-carencias


    Plano de saúde mais barato Foto: shutterstock

    Plano de saúde mais barato

  • Foto de Rock
    Rock Rubi

    + Análise

    Como escolher o melhor plano de saúde?

    A verdade é que o melhor plano de saúde é aquele que se adequa às suas necessidades.

    Porque um plano de saúde completo, por exemplo, para todo o território nacional, para quarto particular, com obstetrícia, vai custar muito caro e você nem usará.

    As principais regras para escolher o melhor plano de saúde para você é:

    1) Saber sua necessidade: precisa do plano ambulatorial? Quarto particular para internação? Tem doença preexistente? Qual sua idade? Vai ter filhos? Casado? Precisa para todas as cidades e Estados? Sua cidade não tem hospital público bom?

    2) Pesquisar no site da ans.gov.br as empresas dos planos de saúde.

    3) Avaliar Custo/Preço: Saber se o custo está dentro do seu orçamento.

    4) Pesquisar avaliações de clientes da empresa e do plano que lhe interessar.

  • Foto de Rock
    Rock Rubi

    + Análise

    Plano de Saúde cada ano mais caro.

    A inflação médica de 2020 deverá ser de 15%. Esse índice é uma das referências para os reajustes dos planos de saúde. Os preços dos planos de saúde sobrem de maneira assustadora. A inflação médica foi:

    Em 2015: + 18,1%

    Em 2016: + 16,7%

    Em 2017: + 17,2%

    Em 2018: + 19%

    Em 2019: +17%

    Em 2020: +15%

    Fonte: Aon e IBGE.

    Isso significa um aumento de 158,6% em 6 anos. 

    Caso seu plano de saúde esteja muito caro, você poderá realizar a portabilidade do Plano de Saúde para outro de valor inferior. O objetivo é evitar o cumprimento de novos prazos de carência.

    Reajuste dos Planos de Saúde Foto: 500px

    Reajuste dos Planos de Saúde

  • Foto de Rock
    Rock Rubi

    + Análise

    Cartões de desconto e Cartões pré-pagos não são plano de saúde

    Muitas pessoas compram os cartões de desconto e cartões pré-pagos como se fossem plano de saúde. Mas a verdade é que não são planos de saúde. O cartão de desconto e o cartão pré-pago não garantem o acesso ilimitado aos serviços garantidos pelo plano de saúde.

    Dependendo do valor que você carregar no cartão, poderá até realizar alguns procedimentos. Mas, quando precisar de um serviço médico de alto custo, provavelmente o valor não será suficiente para permitir o seu atendimento, e aí a empresa que vende o cartão não tem nenhuma responsabilidade. Logo, caberá a você assumir este custo de forma integral.

    None
  • Foto de Rock
    Rock Rubi

    + Análise

    Plano de Saúde. Paciente Particular, uma forma de quebrar

    Muito cuidado com as internações como paciente particular. Segundo dados da Associação Nacional dos Hospitais Privados de 2014, cerca de 8,6% dos pacientes dos hospitais são pacientes particulares.

    Muitas pessoas têm dívidas de R$ 500 mil, R$ 1 milhão, R$ 2 milhões e até de R$ 5 milhões com os hospitais, devido a internações como paciente particular. Os custos de UTI e semi-intensivo custam uma fortuna, bem como todos os medicamentos utilizados

    Então, tome cuidado. Analise as opções do seu plano de saúde e opções de internação em hospital público. Sempre, a saúde da sua família em primeiro lugar.

     

    None